domingo, 8 de agosto de 2010

NOSSA CARA SP: Festa Zazueira

NOSSA CARA SP: Festa Zazueira

Um Cantinho quem sabe

Se comparar o mundo quando quando você apareceu,


meu peito voltou bater forte,

como trovão nas chuvas de verão,

sentir o calor que a muito não sentia,

o prazer de ter horas e horas doce companhia,.



Coisas que me tiram o sono,

me fazendo viajar em um mundo de sonhos e fantasia,

contando sempre as horas para um reencontro cheio de prazer e alegria,

o tempo correndo tão rápido,

feito areia que escorrega entre os dedos,

assim se é com tudo que é perfeito



Tocar meu coração que foi florindo novamente,

dando inicio ao sonho de amar,

quem saber ser completo,

contemplar o infinito céu azul,



Você tornou-se sol, céu e mar

minha terra firme onde posso caminhar

meu luar que me apaixona

junto com as estrelas que são cada desejo de te ter em meu braços.



Quando seu sorriso some,

teus risos não se pronunciam,

e suas palavras se tornam vagas,

fico sem rumo, de coração apertado,

perdendo minha alegria,

sedento de tua companhia.



Sorria comigo novamente,

me seu mais lindo olhar de jade,

um lugar em teus sonhos,

o caminho de teus mistérios,

uma morada em seu coração,

um pouquinho de atenção

quem sabe !



De JB M Moura

Comandante Che Guevara

video

sábado, 7 de agosto de 2010

Rainha Tupã






Olhar de trovão,
Que deixa elétrico quanto finto teus olhos,
Como um relâmpago que antecede a tempestade,
Saem de teus olhos ao se encontrarem com os meus,
O trovão com este raio reluzente,
Atinge – me direto no peito, me fazendo sonhar novamente,
Brotando paixão e sonhos ao pé da lua.


Abelha rainha, imperatriz do mel,
Onde zangões famintos fazem sua dança,
Em flor em flor, colhendo mel,

Construindo teu palácio nas alturas
Sonhando com o meu de teus lábios,



Ao nascer do sol,
Ao cair da noite,
Canções cantam sua beleza,
E poemas são escritos a ausência de teus braços
Doce mulher,
Encarnação de deusas correm em teu espírito,
De Athena deusa da sabedoria e Afrodite do amor.


Seus olhos de trovão
Destruíram em meu peito rochedos de amargura e fel,
Finalmente a velha flor do amor volta a nascer,
Desabrochando com teu sorriso.


Rainha de terras indígenas,
De brisa macia,
Deusa de pele morena,
Domadora de raios,
Minha eterna rainha,
Rainha Tupã de meu coração !

De JB M Moura