sexta-feira, 25 de julho de 2008

Veneno



Eu devia ter beijado aquelas moças ,
sentir seus beijos doces de mel ,
mas beijei a morte nos lábios ,
enchendo-me de veneno e fel .
E essa é a história amigos ,
beijei a morte e tirei o seu véu,
enchendo meu corpo de veneno e fel ,
dançando nas cinzas da sanidade .
Andando por essas ruas iluminadas ,
cheias de prédios e arranha-céus ,
com a mente cheia de veneno ,
e o corpo já quase parando .
Eu devia ter beijado as moças ,
sentir seus beijos de mel ,
mas beijei a morte nos lábios ,
ganhei um drink da morte .
As sombras dos prédios me perseguem ,
dançando como serpentes ,
derrubem os prédios para ter pedras ,
empilhe as pedras para ter prédios.
Dance nas cavernas como primitivos ,
dance com as serpentes nos ninhos ,
dance no ritmo da serpente ,
dance nos embales da vida ,
dance com a certeza da vida ,
dance com a certeza da morte .
De J B M Moura

Galhos retorcidos



Sento-me e olho a aurora do dia,
mas os galhos das árvores me atrapalham a contemplar o todo,
os primeiros raios enfim se revelam,
mas os galhos se retorcem e dizem,
Vais-te !
_ Para onde pergunto ?E os galhos se retorcem mais ainda e dizem: Vais-te!
Irei para onde se tudo que tenho semeei aqui , não tenho onde ir .
Os galhos balançam como no meio de uma tormenta , no entanto não a vento , nem uma brisa e me dizem em um tom maior :
_ Vais-te !
_ Inflama-te comigo , dizeis algo que não compreendo , pois só gostaria de ver a aurora que por sinal me atrapalha-te e tudo o que tens a dizer é vais-te ?
Os galhos se retorcem em um tom irônico e sarcástico logo respondem :
_ Quando digo vais-te , digo para não se perder no meio dos rostos do cotidiano , olhas bem o que vos cerca , que a outros lugares , outros mundos e que sempre tentais ver a aurora ,atribuindo a mim a culpa de não vela, mas és tu , quando só o que devias fazer era mudar de posição , quando digo vais-te digo para buscares novas auroras pois busca-las apenas de um ponto e que mau acompanhara sua imensidão.
_ Então vais-te a procura de novas auroras.
Meus olhos se encheram de lagrimas percebi o quanto tolo fui , não eram os galhos que me impediam de ver a aurora e sim eu mesmo , pois o que tinha a fazer era mudar de lugar.
Agora eu me pergunto , o que eu fiz toda minha vida , de não tentar vela de outros lugares .
De JB M Moura

The Doors - Wintertime love

video

Zemfira - blues

video

quarta-feira, 23 de julho de 2008

Baile Bailarina



Baile bailarina ,
sobre os corações ,
nos seduza para sempre ,
com seu eterno bailado ,
Sem medo de se machucar ,
baile entre nós mortais ,
enchendo nossos corações ,
com seu brilho ,
que lhe foi dado pelas estrelas ,
Baile no jardim de rosas ,
a brisa fresca e a chuva de pétalas são para você ,
tão sonhadora ,
bailarina rainha do luar .
Espalhando pequenos pedaços de vida ,
feliz aquele que encontra o seu olhar ,
divina bailarina ,
dance nesse palco ,
deslisando ...
nos mostrando o amor ,
Quando nasceu ,
foi tocada por anjos ,
que de presente lhe deram as chaves dos corações ,
bailarina , baila tão sozinha ,
encantando os que ti vêm .
Apenas esperando ,
quem tem a chave do seu coração ,
lhe convide para dançar ,
bailarina rainha dos corações ,
quantos não iriam aos confins do mundo ,
por um simples olhar seu ,
que abre um mar de felicidade e amor .
Baile bailarina ,
o mundo e sua caixinha de musica ,
sempre sera o centro do mundo ,
nunca nos deixe sozinhos ,
jamais nos prive do seu sorriso ,
continue sendo apaixonante , apaixonada .
Baile entre as rosas ,
por favor nunca se esqueça ,
que muitos olham por ti ,
sem deixar os espinhos aranharem você ,
mostre-nos que uma rosa é tão simples ,
perto de você ao mesmo tempo tão igual.
Abra a cortina de sonhos e realidade ,
nos tire toda a dor ,
dance até o amanhecer .
DE J B M Moura

Parta como as folhas das arvores



Não vou mais insistir ,
deixo nas mãos do tempo ,
como os ventos que correm livres ,
com a consciência que as folhas das arvores vão voar ,
mesmo que por alguns instantes ,
as arvores sempre ficaram lá ,
As folhas secas vão fazer um tapete ,
e vão dar aparência cinza aos dias de inverno ,
como as arvores ,
vejo os tempos me cercarem ,
sem medo do amanha ,
não importa se o calor é intenso ,
ou o frio cortante ,
sempre estarei lá ,
me despedindo das folhas que partem ao vento ,
e esperando feliz as novas folhas .
Amarei cada uma enquanto presas a meus galhos ,
quando o sutil vento as levarem de mim ,
sei que terão que partir sutilmente ,
porque se ficarem os dois murcharemos ,
sem dor , mas com a certeza que vivemos ,
alimentando um ao outro ,
sendo meus poros ,
e eu sua comida ,
como as arvores me despeço docemente ,
com essa suave brisa que nos separa
DE J B M Moura

Castelo de ilusões



Um castelo,
eu rei,
você como minha rainha,
enfrentar todos os perigos,
por você.
Ti salvar de todas as formas,
como um homem pode salvar uma mulher,
Como gostaria de olhar em seus olhos,
ver o mesmo brilho que os meus brilham por ti.
Enfrentar dragões,
os mistérios das vida,
lutar ao por-do-sol por tua honra,
sonho de cavaleiro andante,
e de princesas em torres.
Me chame de antiquado se quiser,
mas o sonho nunca deve morrer,
vejo magia em tudo,
mas a magia em mim esta fraca demais.
Como gostaria de olhar as estrelas,
e saber que me tornei parte delas,
quando me tornar imortal,
para olhar os filhos dos nossos filhos,
pela eternidade .
De J B M Moura

Epica - Phanton of agony

video

Um pouco de verdade aqui

A vezes erramos com as pessoas ,
não existe ninguém igual a ninguém ,
espaço entre cada um parece tão grande ,
estranho quando achamos que agradamos ,
são as vezes que mais somos ignorados .
A mente de cada um semeia a ilusão que deseja ,
quando vemos alguem conhecido ,
e esse alguem nos comprimente calorosamente ,
temos a ousadia de pensar algo do tipo ,
" nossa tinha que aparecer agora "
mas também não sabemos ,
se quando chegamos em alguem que gostamos ,
esse alguem não goste tanto assim de nós
A vida tem desses giros e preferencias ,
de fato não escolhemos de quem simpatizamos ,
tão pouco de quem vai gostar de nós ,
esta é a linha natural das coisas ,
nem todos podem provar o doce ,
alguns tem que comer punhados e punhados de sal.
Ser ignorado é bem pior do que a verdade ,
de não gostar , não querer conversar ,
ou qualquer outro tipo de não gostar ,
quando se descobre que não estão com agente ,
por prazer , amizade , bem querer e sim por cortesia ,
dói de mais dentro da alma ,
queria um dia que essa mascara humana da falsidade ,
pudesse cair ser sincero ,
vejo como um caminho ,
por que omitindo isso só ferimos as pessoas ,
danos irreparáveis dentro da alma ,
que jamais curarão ,
De J B M Moura

Mesmo momento



Espero que todas as duvidas vão embora ,
e agente compartilhe o mesmo momento ,
apesar de pouco tempo ,
eu me apeguei em você ,
Acredite se quiser ,
quero ser mais que um beijo na noite ,
que nunca sentiremos a noite fria ,
por que o sentimento é mais quente que o frio ,
as vezes sei que sou completamente incoerente ,
com a realidade da vida ,
Mas nunca me engano sobre o que sinto ,
as vezes me pego pensando ,
querendo desvendar os seus segredos ,
como seria bom ti fazer desistir de ficar sozinha ,
mas tenho medo de ti acorrentar com a insistência ,
dizendo coisas sem graça para mudar de idéia ,
então esperar se torna um remédio seguro ,
Então o tempo não passa ,
as horas parecem anos ,
porque concertar erros que nem sei se cometi
tão longe de ser um príncipe em cavalo branco ,
sigo errando tentando concertar ,
talvez não possua as qualidades para te ter ao meu lado ,
Só posso dizer que tenho coragem de tentar ,
não quero dizer adeus ,
quando tudo passar quero olhar para trás ,
dizer que tentei entrar em seus sonhos ,
mesmo sendo só mais um ,
ter certeza de que fiz o que pude ,
para caminhar no mesmo momento seu
com a lua de testemunha
de JB M Moura

zemfira - Malchik

video

terça-feira, 22 de julho de 2008

Epica - Solitary Ground.mp4

video

Palavras de um simples poeta



Se voasse voaria bem alto ,
iria buscar a estrela mais brilhante ,
para quebrar ela em muitos pedaços,
e fazer um colar para lhe ofertar ,
para combinar como brilho do seu sorriso ,
Se soubesse a língua dos seres do mar ,
falaria com as ostras para chorarem uma perola ,
para lhe fazerem um par de brincos ,
para quem ver as que as perolas ,
logo perceberem que não se comparam a você .
Traria a noite ,
quando estivesse cansada ,
colocaria a lua para velar seu sono ,
logo pela manha ,
te acordaria com os primeiros raios de sol ,
junto com o canto dos pássaros para alegrar seu dia ,
Controlaria o destino ,
para que no seu caminho ,
jamais existissem pedras ,
para nunca ferir seus pés .
quando chorasse ,
tocaria sua lagrima ,
transformando-a em um diamante ,
para lembrar que chorar só se for de alegria .
Faria o tempo correr bem rápido ,
nos seus dias de incerteza e infelicidade ,
faria o tempo correr bem devagar ,
nos dias em que o seu sorriso fosse mais radiante e sincero .
Mas nada é tão simples assim ,
não posso fazer nenhuma dessas proezas ,
apenas estes pequenos versos simplórios ,
que lhe ofereço de todo meu coração ,
que me darei por satisfeito ,
se lhe abrirem um sorriso sincero ,
pois assim estes versos ,
terão cumprido seu destino ,
lhe dando um raio de felicidade .
De J B . M . Moura

Tesouro bandido



Me tire dessa escuridão ,
sei que não posso lhe oferecer ,
nada alem de meu coração ,
meus carinhos ao pé do seu ouvido ,
olhe dentro dos meus olhos ,
me de sua mão ,
vai ficar tudo bem .
Quando logo ti vi ,
meu mundo perdeu o sentido ,
criando um novo apenas para você ,
tão estranho e magico ,
me assusto todo tempo ,
os segredos das coisas se revelaram ,
tudo ficou tão sem sentindo sem o seu sorriso ,
Quero me perder entre seus cabelos ,
onde nossa musica favorita ,
sera o descompasso das nossas respirações ,
sem marcar tempo ,
sem palavras ,
para que estragar com palavras ,
enquanto nosso lábios úmidos ,
percorrem famintos se fartando ,
por caminhos secretos ,
pequenos segredos de alcova ,
febre tão gostosa de ter .
Por favor se encontre comigo ,
vamos dançar nossa musica mais uma vez ,
sem existir passado ou futuro ,
apenas nosso presente ,
não tenho um diamante para lhe dar ,
mas prometo ,
que me darei todo para você ,
seu brilho me faz tão bem ,
durante a noite ou dia ,
me de uma chance de provar ,
o meu sentimento ,
completar o espaço que falta em você ,
e de mãos dadas seguirmos o mesmo caminho
De JB M Moura

segunda-feira, 21 de julho de 2008

Brisa fresca



As ventos balançam as folhas das árvores ,
estou cansado de tanto andar ,
meus pés doem de tanto andar ,
por este caminho imensos ,
os ventos trazem minha nova era ,
Nas minhas grandes batalhas ,
quando eu retirei forças inimagináveis ,
andei tão fundo nos dias de mais dor ,
as flores já tiveram cheiro de morte ,
estive em toda parte ,
nos lugares sombrios eu tremi ,
quando marchava para batalhas ,
sentia o sangue correr em minhas veias .
Minha espada de ilusões ,
afiada lutou contra meus tormentos ,
ferindo-me ao mesmo tempo ,
meu sacrifício não foi notado ,
muito menos lembrado ,
andei pelas profundezas ,
me senti guerreiro prisioneiro de você ,
meus pés doem demais .
Por favor desculpe ,
por não ter conseguido te acompanhar ,
os ferimentos doem demais ,
meu sacrifício trouxe para você ,
um outro rei ,
e eu me perdi nos campos de batalhas ,
nas fronteiras do amor e das sombras ,
minhas lutas eternas ,
para ter seu olhar castanho pra mim ,
Meu doce sacrifício por você ,
faria tudo novamente sem pensar ,
travaria as mesmas lutas ,
por seu doce olhar ,
hoje os ventos que sacodem as árvores ,
me trazem para um novo caminho ,
com brisa fresca e vento ,
mas ainda espero encontrar seu olhar ,
mesmo que volte para as minhas batalhas sombrias .
De J B M Moura

Risada e ratos



Eu sou uma risada ,
uma mentira inventada ,
em meu palácio cheio de ratos ,
ruindo com amparo ,
sorriso do desprezo ,
aumentando a rachadura ,
dividindo meu tempo .
Sem antes e nem depois ,
no presente as flores já murcharam ,
a vida é como um raio ,
os ratos roem as cortinas ,
transformando o ambiente em coisa nada atraente .
Sem ser rei quis o cetro ,
com o tempo o cetro quebrou ,
e os ratos roeram o que restou ,
as novidades não descobriu ,
quando descobriu já não eram novas ,
risada é o que sou ,
mas sempre quis ser o relâmpago ,
que antecede o raio ,
explodindo como o trovão .
DE JB M Moura

eu sou apenas eu



Já pequeno aprendi ,
mudar o meu destino ,
é a vida de cada um ,
não importa os passos tortos
somente andar em outro caminha vai .
As vezes nós mos pegamos perdidos ,
surgir de lugares inesperados ,
esse sou eu ,
em cada derrota uma vitória ,
O ouro escondido ,
eu não achei ,
as velhas estradas ainda tem poeira ,
e eu vou cruzar ,
para chegar por onde ninguém andou ,
por que eu quero .
Ver o que ninguém viu ,
só por que eu quero que seja assim ,
desvendar os segredos ,
ser mais que algo comum
que seguir os passos de meus pais .
Ser os movimentos do mundo ,
mesmo que por um segundo ,
e dai , que a queda venha , não me importo
pelo menos vi os horizontes que não viram ,
Quero correr junto com o tempo do mundo ,
ser tão forte quanto uma rocha ,
minha marcar deixar pelos tempos ,
tão veloz como vento seguir meu caminho ,
com quedas e vindas ,
dizer que eu só fui eu .
Mesmo que deixe todos confusos ,
esse sou eu ,
o que você quer ser ,
quero seguir meu caminho,
gozar esta eterna confusão de onde seguir ,
Achar tudo uma grande novidade ,
abraçar a vida como um amor ,
e depois de tudo só dizer ,
eu fui apenas eu .
DE J B M Moura

Quando estamos sozinhos



As vezes quando estamos sozinhos ,
vendo nossos caminhos ,
saídas que nunca se abrem ,
nos sentimos tão sozinhos ,
Um quarto pode ser tão grande ,
igual o mundo em vivemos ,
nem sempre distancias querem dizer algo ,
as vezes existem barreiras invisíveis ,
que não nos permite voar ,
dai nos sentimos tão sozinhos .
O tempo fica tão lento ,
as pedras parecem ser mais rápidas ,
quanto mais as areias andam ,
quando estamos sozinhos ,
tudo parece tão frio ,
até a alegria não chega em nós ,
sozinhos com nós mesmos ,
nos tornamos tão vulneráveis ,
por que sabemos nossas fraquezas ,
e nossos medos nos assusta muito ,
nossos fantasmas nos corrói ,
e a agustia nos devora ,
O tempo nos devora ,
as areias não param de correr ,
escapando pelos nossos dedos ,
quando estamos sozinhos ,
e não temos ninguém ,
tudo se torna tão grande ,
que nosso coração chega ter ecos ,
ecos de solidão ,
lembramos de belos momentos ,
belas paisagens e sorrisos
se misturando com o dia ,
apertando o coração ,
Coração correndo com o tempo ,
sentimos um aperto tão grande ,
quando lembramos ,
se misturando com a saudade ,
de ter seus olhos ao encontro dos meus
de nossas almas se abraçarem ,
de estar com você ,
por que meu mundo perde sem o sentido ,
sem seus olhos ,
sem você e tudo vazio ,
e meus pensamentos nessa imensidão são pra você
De JB M Moura

Quero acreditar



Não creio em milagres ,
também não sou bom nessa coisa de fé ,
mas sempre quis acreditar ,
mas os tempos sempre me fizeram abandonar ,
andando sem destino esse sou eu ,
leves alegrias que logo se desafazem ,
Da cor da manha ,
ao cair da noite ,
esta é minha vida ,
sigo vivendo sem saber ,
o que devo fazer ,
esperando que os sinos toquem meu coração ,
apenas quero coisas tão comuns ,
mas sem as quais não se vive por ai ,
vivendo em suspiro profundo esse sou eu ,
de nada valem os sorrisos ,
quando o meu espirito chora ,
As vezes nesses caminhos quero acreditar ,
mas porque é tão difícil ,
é tão simples de cada um ,
mas não consigo ,
por que não escuto os sinos ,
As cidades sempre tão amontoadas de gente
eu sempre sou tão sozinho ,
muito barulho e confusão ,
tudo tão deserto em mim ,
eu sorrio buscando o próximo horizonte ,
Me sinto a parte deste mundo ,
este sou eu ,
eterna busca que nunca chega a um fim ,
vidas vem e vão ,
tudo passa rápido ,
acreditar é tão simples ,
quando penso no incio ,
já se chegou o fim ,
este sou ,
apenas ouvir os sinos ,
é uma questão de fé ,
apenas queria acreditar
DE J B M Moura

domingo, 20 de julho de 2008

Amazona



Longe de entender ,
espero o amanhecer ,
o mar choca-se com as pedras ,
a lua tão cheia ,
que posso toca-la
A areia branca ,
como a pureza das crianças ,
a pureza e inocência do infantes ,
a dadiva que perdemos quando crescemos mais adiante .
Na visão dos puritanos ,
ela e castra e envergonhada ,
uma donzela de muitas prendas ,
intocável em sua honra ,
até mesmo quando mente .
"enquanto na mente do libertinos"
Enquanto na mente dos libertinos ,
uma jovem linda ,
cavalga nua por pastos verdejantes ,
em seu alazão ,sem amarras ,sem celas ,
nada para se prender ou temer ,
nem mesmo nas amarras da mentira ,
somente o vento a veste ,
a mostra como realmente veio ao mundo ,
sem nada para esconder ,
ela é linda és a verdade .
De J B M Moura

Lugar para poucos



Rosto de anjo ,
misteriosa mulher ,
que não consegue desvendar o seu verdadeiro pensamento ,
ao olhar seus olhos brilhantes exalando paixão ,
se perde a direção de suas intenções ,
Fonte de aguas termais ,
assim se deve pensar em você ,
ao mesmo tempo , acalma ,
se mantendo aquecida ,
deixando o frio do mundo bem longe ,
curando as feridas ,
Mesmo revigorando ,
seu pensamento e o caminho de seu coração ,
são labirintos intermináveis ,
de certo apenas alguns podem toca – lo ,
mas sei que não vou ser um destes felizardos ,
quero entrar nestes labirintos e me perder ,
pelo menos estaria no caminho do seu coração ,
nem mesmo a chave para entrar neste caminho tenho ,
As vezes não querer a chave deste labirinto ,
seja a resposta ,
tenho toda a certeza que as portas do paraíso ,
não existam portões ou muralhas ,
e um chave seria inútil ,
não mais que um objeto sem motivo para existir ,
Para chegar ao paraíso ,
tem que se provar o valor ,
ser digno merecedor dele ,
passando por uma grande provação e purificação ,
antes dele pisar ,
muitas vezes com todas estas qualidades não se consegue toca – lo ,
pois se perderam em algum ponto do caminho ,
assim é seu coração ,
paraíso raro ,
para poucos em seus floridos campos pisarem
DE J B M Moura

Nestes nossos dias



Nestes meus dias que vivo ,
o vento sacode minha alma ,
e me misturo na imensidão do céu ,
quero ser terra , mar , ar .
Voar em cada lugar ,
viver meus dias ,
beber da fonte que me alucina ,
embebedar-me desta fonte ,
me aquecer em pele macia .
Sumir bem veloz ,
sentir meu sangue ,
fluir embebedar-me de ti ,
entorpecer de mel ,
de teus olhos castanhos-mel ,
sentir a poesia de teus lábios,
estar ao meio do verde e céu ,
Correr , correr ,
beber de tua fonte o puro deleite ,
furtar-me de tua alma , corpo
quero ser fogo , sol ,conter-te em meus braços
ser a luxuria ,
ser seu santo ,
o peregrino de seu corpo ,
descobrir seus prazeres ,
emendando-os aos meus ,
sentir seus sentidos .
Deixar nua tua alma ,
ser sua carne ,
dançarmos nus sobre as estrelas ,
para sermos terra , fogo e ar ,
nesses nossos dias em que vivemos .
De J B M Moura

Fogo do gelo



Me tire dessa escuridão ,
sei que não posso lhe oferecer ,
nada alem de meu coração ,
meus carinhos ao pé do seu ouvido ,
olhe dentro dos meus olhos ,
me de sua mão ,
vai ficar tudo bem .
Quando logo ti vi ,
meu mundo perdeu o sentido ,
criando um novo apenas para você ,
tão estranho e magico ,
me assusto todo tempo ,
os segredos das coisas se revelaram ,
tudo ficou tão sem sentindo sem o seu sorriso ,
Quero me perder entre seus cabelos ,
onde nossa musica favorita ,
sera o descompasso das nossas respirações ,
sem marcar tempo ,
sem palavras ,
para que estragar com palavras ,
enquanto nosso lábios úmidos ,
percorrem famintos se fartando ,
por caminhos secretos ,
pequenos segredos de alcova ,
febre tão gostosa de ter .
Por favor se encontre comigo ,
vamos dançar nossa musica mais uma vez ,
sem existir passado ou futuro ,
apenas nosso presente ,
não tenho um diamante para lhe dar ,
mas prometo ,
que me darei todo para você ,
seu brilho me faz tão bem ,
durante a noite ou dia ,
me de uma chance de provar ,
o meu sentimento ,
completar o espaço que falta em você ,
e de mãos dadas seguirmos o mesmo caminho
De JB M Moura

Seguindo no escuro

Me tire dessa escuridão ,
sei que não posso lhe oferecer ,
nada alem de meu coração ,
meus carinhos ao pé do seu ouvido ,
olhe dentro dos meus olhos ,
me de sua mão ,
vai ficar tudo bem .
Quando logo te vi ,
meu mundo perdeu o sentido ,
criando um novo apenas para você ,
tão estranho e magico ,
me assusto todo tempo ,
os segredos das coisas se revelaram ,
tudo ficou tão sem sentindo sem o seu sorriso ,
Quero me perder entre seus cabelos ,
onde nossa musica favorita ,
sera o descompasso das nossas respirações ,
sem marcar tempo ,
sem palavras ,
para que estragar com palavras ,
enquanto nosso lábios úmidos ,
percorrem famintos se fartando ,
por caminhos secretos ,
pequenos segredos de alcova ,
febre tão gostosa de ter .
Por favor se encontre comigo ,
vamos dançar nossa musica mais uma vez ,
sem existir passado ou futuro ,
apenas nosso presente ,
não tenho um diamante para lhe dar ,
mas prometo ,
que me darei todo para você ,
seu brilho me faz tão bem ,
durante a noite ou dia ,
me de uma chance de provar ,
o meu sentimento ,
completar o espaço que falta em você ,
e de mãos dadas seguirmos o mesmo caminho
De JB M Moura

Sem um pedaço



Um dia quis andar ao sol ,
andei com muita graça ,
sorri para tudo ,
estranhos dias me rodearam ,
não sabia o que aconteceria ,
raios de felicidade ,
Tudo não nasce para durar ,
as coisas que aprendi ,
sempre tiveram um final oposto ,
quando dou amor ,
ganho indiferença ,
Tanta ilusão ,
o fogo que queima em mim ,
não queimou em ti ,
mesmo assim veio em meu encontro ,
quando não acreditava mais ,
veio me deu tristeza ,
me reviveu para me matar ,
mais uma vez cai no meu inferno ,
Sua imagem agora faz parte dele ,
acordo toda manha ,
espero por um novo caminho ,
uma estrada que leve para perto ,
onde o sol volte a brilhar ,
quero esquecer essa dor ,
sinto que perdi uma parte minha ,
minhas não podem tocar,
brigo com o destino ,
constantemente lembrando ,
que cada um tem o seu lugar ,
seu amor nunca foi meu ,
meu amor foi rejeitado pelo seu ,
mesmo assim você continua sorrindo ,
após tirar um pedaço meu .
De JB M Moura

Falta inspiração aqui




Veja as luzes da cidade ,
acesas para todos ,
descubra seus labirintos ,
venha para o seu interior ,
descubra você mesmo .
Aqui as luzes não se apagam ,
se apagarem apenas é sua mera visão ,
divida o pão com o mendigo ,
ame a prostituta ,
se torne um fantasma vivo ,
mas ainda sim vivo ,
as cores negras são apenas para´colocar medo ,
Pessoas vem e vão ,
mas o que importa ,
é que repetirão você ,
nesta dança as luzes não se apagam ,
dentro de você a um dragão ,
pronto para cuspir fogo ,
ou dormir entre a multidão ,
Os chacais com diversos sons e tribos ,
invadiram a cidade ,
vão tomar seu sangue até ,
não importa dragão ou lobo ,
todos repetiram você .
De J B M Moura

A chave



O salão está vazio,
um oceano de lagrimas,
onde as coisas são como a tristeza,
meu coração caiu nas trevas,
depois que você se perdeu de mim,
Com o tempo tudo muda,
As pessoas,os amigos,os anos,
que são pesados sobre mim.
Tudo muda,
menos meu coração,
que vaga nas trevas,
e em sonhos com você,
de tua chegada,de tua partida,
da dor de meu coração,
minha tristeza.
Quando eu fecho os olhos,
há um veleiro em alto mar,
que navega em águas azuis e tranqüilas,
a lua cheia ilumina o seu caminho,
pedindo que o vento mude a maré
trazendo você para mim,
com as gaivotas do céu .
De J B M Moura

sábado, 19 de julho de 2008

Pequena chama do amanhã



Os lugares vão ficando solitários ,
quantas vezes passei por aqui ,
segui sem saber que tudo isso faz parte de mim ,
olhar a vida é como olhar em um espelho ,
terá sempre a imagem que te trás de volta .
Por mais que corra nunca vai fugir você ,
indo até os confins que posso ir ,
o sol sempre vai se esconder para a lua brilhar ,
demorar para chegar junto com a lua ,
trazer o velho eu de volta de toda essa bagunça ,
quem sabe ver você pelo caminho ,
contar as histórias que eu colhi pelo meu caminho ,
Andar de volta ao seu encontro ,
lembrar como era bom sua presença ,
antes da vida nos separar ,
quero voltar para casa com você ,
quase tudo como uma grande carta de amor ,
romance real , sem o medo de perder ,
dizer que as rosas foram feitas para te enfeitar ,
o arco-íris para tirar um sorriso ,
os pássaros para tocar uma canção de amor para você ,
posso ser tão tolo de acreditar ,
que o mundo não gira sem sua presença ,
mas do fundo do meu coração ,
ele não bate sem você ,
tudo tão vazio ,
a chama continua solitária ,
eu estou pronto para esperar ,
o sol nascer me trazendo a manhã
enquanto isso a chama vai me aquecer ,
nesta noite fria de lua serena ,
aquecendo meu coração com toda a força ,
da chama que um dia você ascendeu ,
os primeiros raios de sol vão vir ,
me levando o frio ,
que o seu toque seja como os pequenos raios de sol
que aquece meu rosto ,
levando - me de volta para você
De J B M Moura

Nunca te desejei solidão



Só quero um lugar para descansar ,
curar as feridas ,
ficar bem longe da tristeza e solidão ,
ja foi a época em carreguei espada e escudo ,
Tudo hoje é tão silencioso ,
as feridas doem , quando vejo o que me tornei ,
tive tantos sonhos ,
nenhum deles eu realizei .
Queria que um anjo viesse me visitar ,
para me levantar ,
mas essas coisas não são pra mim ,
quis sentir o mundo com o coração ,
esquecendo que eu também entreguei minha alma,
meu corpo se lançando em uma cruzada ,
que jamais iria ganhar .
Mundo podia caber em minhas mãos ,
ao mesmo tempo se tornava tão imenso ,
que me enterrava com meus próprios devaneios ,
tudo que eu fiz foi com a alma ,
sonhando com cada pedaço de mim .
Não quis nada de graça por isso lutei ,
sonhei , lutei , amei com toda paixão ,
mas sempre tive um caso serio com a solidão ,
ela me cerca e me envolve ,
não percebe que eu nunca a desejei,
e minha amante se tornou .
De J B M Moura

Obrigado , alma de pássaro




O teu segredo ,
são olhos radiantes que muito dizem ,
mesmo sem dizer uma palavra ,
é o sorriso que descongela geleiras antigas ,
que doma o instinto da fera selvagem ,
Aos caminhos com quem cruza fascina ,
reacendendo chamas a muito extintas ,
fazendo a vida florir ,
semeando intensamente ,
onde pulsava apenas um árido deserto ,
se tornando uma fonte intensa com sua curta passagem ,
Mas tem também coração selvagem , livre ,
onde tentar doma lo ,
ofusca o seu brilho ,
porque o que mais valoriza é a liberdade ,
seu coração é como um pássaro que teme a gaiola ,
pobres daqueles que tentam lhe arrebatar ,
então logo o pássaro em forma de mulher ,
voa sem destino em liberdade ,
Olhando com o seu lindo olhar para trás ,
agradecendo aquele que tentou ousar povoar seu coração ,
se lembrando que sua liberdade é maior que os céus por onde voa ,
pretenso caçador sorriso triste nos lábios ,
olhando – a partir no horizonte ,
lamentando ter tentado entrar em seu coração ,
assim talvez a teria mais um tempo em sua doce companhia ,
também agradece por tela encontrado ,
semeado onde antes era árido ,
OBRIGADO ,
este é o legado da mulher com alma de pássaro
de JB M Moura

Escuro e luz



Você acha que conheceu tudo ,
que fez seus pequenos planos ,
que venceu seus obstáculos ,
que venceu as grandes barreiras ,
Mas não tem idéia das coisas ,
que existem entre eu e você
os portões já foram abertos ,
tudo que colheu até aqui ,
não vale nada .
Quando o mundo abre sob seus pés ,
percebendo que nada tem ,
tudo perde o sentido ,
não importa o que tenha ,
fica sem onde se apoiar ,
Não relembre o sofrimento ,
pois ele apenas começa o seu efeito ,
nuvens negras sem respeito ,
vagueiam livres por você ,
e esta sem o chão sob seus pés ,
Cair em mundo que desconhece ,
tudo tão escuro ,
com grandes masmorras ,
onde os caídos perambulam ,
cada um com seus próprias sofrimentos ,
Repousam nas cacumbas lembranças mortas ,
nunca realmente esquecidas ,
a medida que apodrecem ,
contaminam a alma e a mente ,
masmorras erguidas ,
por nossas próprias torturas ,
A morte e a morbidez ,
passam ser heroínas ,
balsamos que enebriam ,
os sentidos perturbados ,
trazer a morte na alma ,
Pelas minhas mãos ,
descrevo o escurecimento da alma ,
apodrecimento do coração ,
as lendas que trazem cada um ,
não á palavras para contar .
Os dias negros são marcados pela tempestade ,
onde todos nós aprendemos duelar ,
cedo ou tarde alguns seguem sua trilha
outros simplesmente se perdem neste caminho ,
nascemos puros sem defeitos livres ,
como o lobo que corre na floresta ,
depois somos abraçados ,
por fortes dias de trovão ,
que corta nossas espinhas
nos deixando temerosos
Nunca estamos preparados ,
quando as sombras nos toca ,
mas tem que se jogar como elas querem ,
para a liberdade de nós mesmos ,
temos que nos vencer ,
vitórias não são só conquistas ,
as vezes no sofrimento e na dor ,
aprendemos sobre nós mesmo ,
damos valor a vida quando descobrimos a morte ,
aprendemos sobre a luz ,
quando somos deixados sozinhos no escuro
De JB M Moura

Lobos , meus parentes em espírito

video

sexta-feira, 18 de julho de 2008

Anjo caído



Doces pedaços de lendas ,
o anjo que perdeu suas asas por amar ,
la do céu dos imortais via sua amada ,
tentava chegar nela por seus sonhos ,
velava os seus sonhos ,
era o seu guardião
Livrando-a de todo o mau ,
do seu lado direito ,
era o eterno anjo guerreiro,
tentando enobrecer o espirito ,
sendo o seu guia pelos caminhos ,
mas pouco percebeu que era o inicio do seu fim.
Do céu desejava trocar as asas ,
perder a gloria de pairar entre as nuvens ,
para mortal se tornar ,
poder tocar , sentir fome , prazer , desejo de todo ser
se perder em outro paraíso em corpo de mulher ,
deixar de ser anjo para semeá – la ,
igual ao agricultor ,
ver os campos fertilizarem e desbrochar a colheita ,
em forma de amor e prazer tremulo em noite enluarada,
para que asas se voar em seu prazer e pele ,
é conhecer um mundo secreto que os anjos não conseguem tocar
De J B M Moura

Galera de Historia da Usc

videoEsse povo é muito gente fina quero levar eles comigo pro resto da minha vida , aew galera vcs são 10 video video video

Dia Azul de um cavaleiro



Só queria entender ,
a verdade em cada um ,
as vezes tudo fica sem sentido .
Os ventos dão o incio da tempestade ,
dentro de mim ,muita confusão ,
sempre falei dos dias cinzas ,
mas na verdade sempre quis dias coloridos ,
com o azul correndo todo sempre .
Por onde andei sempre fiquei com um peso ,
meu caminho sempre tão sozinho ,
as árvores tem valor diferente ,
quando se vaga sozinho ,
grandes estradas de solidão .
Dentro de mim ,
ninguém conhece a dor ,
meu peito vive cheio ,
cheio querendo chorar ,
mas só consigo rir para disfarçar.
Sempre me perguntei ! ,
por que tanta dor ,
o simples azul sempre esta longe de mim ,
beleza de alguem sorrir pelos seus olhos ,
caminhar lado a lado por estes dias,
simplesmente ser especial pra alguem.
Meu rosto já se mudou tanto ,
o fel dos dias já colocaram nele sua marca ,
tentei deixar minhas marcas algumas vezes ,
mas foram tão superficiais que se apagaram ,
Agora me pergunto ,
pra onde eu vou ?
já não existem mais fronteiras pra percorrer ,
nos meu dias mais escuros ,
em que as chuvas são mais intensas ,
me recolho e durmo ,
para o tempo passar e não sentir mais ,
o paraíso cada vez mais longe ,
Estou com sono ,
um sono tão profundo ,
que pode durar uma eternidade ,
me levando para os confins do inimaginável ,
onde repousarei entre lenções claros e macios ,
sem tempo para despertar .
Nada nem ninguém vai poder tornar machucar-me ,
não precisarei mais da velha armadura enferrujada ,
meus olhos não brilharam mais com esperança de mais uma batalha ,
por que todas já foram perdidas antes mesmo de começarem ,
não existira calor e nem frio dentro de mim ,
sem haver nem mesmo espaço para o vazio .
Os templos que ergui ,
se ruíram com o tempo ,
a terra os engolira com o passar dos séculos ,
as minhas esperanças que um dia depositei ,
voaram com os ventos para seus túmulos bem distantes ,
onde em fim puderam repousar um singelo descanso .
Assim distante deixando os dias andarem a passos lentos ,
a espada que não golpeará mais ,
sem o punho para empunha-la ,
sem o coração para guia lo ,
simplesmente se enferrujara no chão ,
os dias e noites cobriram a terra ,
dia apos dia ,durante a eternidade ,
Devagar com a ferrugem ,
a espada se quebrará em vários pedaços ,
o vento trara a poeira que inundara o aposento ,
os anos deixaram a sua marca ,
espada e o antigo cavaleiro ,
desapareceram das mentes dos outros ,
e neste canto ninguém recordara ,
que existiu um cavaleiro ,
qual sua única missão sempre foi ter um dia azul .
De J B M Moura

Lobo selvagem




Lobo selvagem dentro de mim,
Navega na noite pelo vale das almas,
Com alma indomável,guerreira,
ainda escuto os tilintares das cimitarras,
corpos que se rasgam e caem á meus pés
No meio do cheiro da morte e de olhares servis,
uma rosa cresce no meio da morte,
ó,trevas ambiciosas,ti levam cada vez mais longe,
para quem vê sua luz
Trevas doce trevas,
doce escuridão servil,
no suplicio dos condenados eleva seus olhos
A cada movimento,a cada passo um corpo desaba,
o cheiro ferroso do sangue entra em minhas narinas,
minha cimitarra de reluzente como a luz das estrelas,
passa para vermelho tingido de sangue,
contando uma história de sangue
Mas quando escutei a candura de tua voz,
vi a luz,luz com poderes para amansar o lobo selvegem dentro de mim,
Logo desabei ajoelhado,ferido de morte,
olhando dentro de teus olhos pela última vez,
tu eras a rosa que crescia nos campos de batalha e me fizeste ver,
a luz das luzes,não a que era acostumado a ver,
mas a mãe de todas as luzes,
e assim perdi a última das grandes batalhas,
na escuridão das trevas.
De J B M Moura

Ironia



Quando os ventos da noite,
trazem a madrugada,
e estou completamente sozinho,
viajando pelos campos da mente.
Abrindo as portas do inexplicável,
traçando tramando com a noite,
dos por ques sem respostas,
de ações sem calor.
Sou rei,
de tudo que pensa,
imagine que terei,
sonhe,que construirei igual,
cada centímetro sonhado.
Objetos são fúteis,
a beleza é promiscua,
e o amor se tornou corrompido,
o ódio são faiscas que incendeiam sem sentido.
O bem e o mau se tornaram uma mentira,
que dançam em um baile de mascaras,
girando de um lado á outro sem parar,
sem cautela e nem harmonia.
Então o vento da madrugada trás o dia,
acordando de filosofias sonhadas,
do rei do pensar para miserável real,
me deparo com as mesmas ironias.
Restando apenas nos corações dos desesperados,
que não se enquadra nesta tal filosofia,
um grito é tudo,
um grito silencioso no escuro.
De J B M Moura

Doce loucura

As vezes me chamam de louco ,
tão pouco provável que isso me cause algo ,
me chamam de louco por não verem ,
doce linda ,noite que faz brilhar dia ,
como entender aqueles que não vem ,
as coisas como são .
trouxe para todos esse grande carrossel ,
venham todos ,todos venham ,
sigam em diversas direções ,
sorriam para o pão francês ,
digam bounjour ,
A bela noite delírio da lua ,
se permitam , permitam o que desejarem ,
ateiem fogo nos medos ,
gira a maçaneta da porta ,
saiam , saiam ,
traiam a lucidez pela doce loucura ,
sobre essa lua ,
não a sinais nem barreiras para você ,
deixe o amor escorrer pelos seus dedos ,
como mel ,doce mel que escorre de um favo ,
coma esse mel beije mel ,
depois depois ,
que se fartar se farte mais ,
em rios de champanhe ,
embriague-se pois é louco ,
todos o que provam jamais ,
querem outra coisa ,
abandonem a lucidez e se tornem loucos ,
sobre essa lua doce ,doce lua ,
tudo vai ser melhor que chocolate ,
rosas sem espinhos , livres para amar ,
livres , livres , livres ,
seja louco ame sem medidas
De J B M Moura

Palhaço – guerreiro



Acordo no meio da noite ,
acho que acordei de um pesadelo ,
tenho que ser forte mais um dia ,
tão junto a mente ,
tão longe de meus braços ,
Espero que toda essa loucura passe ,
como um mal dia ,
que eu acorde dessa tristeza ,
as vezes os ventos dizem que você vem ,
mas os botões de rosa ainda não abriram ,
Foi tudo tão rápido nem pude entender ,
me sinto um palhaço em frente a plateia ,
sem uma piada nova para entreter ,
por mais que viva intensos combates ,
vitoria em vitoria , derrota em derrota ,
guerreiro palhaço ,
de armadura e pintura engraçada no rosto ,
meu rosto sorri enquanto sangro por dentro ,
Alegria pintada no rosto ,
para espantar a solidão ,
o eterno vazio ,
espada em punho ,
para lutar contra a dor ,
que me atingi todo dia ,
palhaço eterno sorridente ,
cavaleiro valente ,
sem talento para ser amado ,
mas com a capacidade de amar verdadeiramente ,
sem querer nada em troca ,
até as rosas desabrocharem em seu coração ,
e amar este palhaço – guerreiro ,
como ele ama você
De JB M Moura

quinta-feira, 17 de julho de 2008

Zemfira












videoEssa é a roqueira Zemfira , que eu descobri por acaso , mas foi paixão a primeira vista , adoro a musica dessa russa

Pretenso anjo



Por que as estrelas conspiram desta forma ,
sem medo do futuro eu apenas segui ,
quando você sangrava eu também sangrei ,
e ainda sangro .
Sempre quis te defender ,
ser como um anjo em seu ombro,
as estrelas assim quiseram ,
eu sempre pedi para você não sangrar
mesmo que eu o fizesse por você .
De onde estou não posso olhar para você
Mas quero cura -la de todo mal ,
por que é o que eu sei fazer melhor ,
zelar por você .
Jamais vou te deixar cair no eterno abismo ,
você encantou minha alma ,
hoje tudo parece tão distante ,
impossível de controlar ,
mas ainda meu corpo ferve ao ouvir o seu nome ,
como um clarim que me trás atona do mundo escuro ao qual fui lançado ,
pronto para lutar em teu nome ,
pronto a encarar a lança contra meu peito,
sem me importar com as conseqüências .
Sempre quando a lua esta grande no céu tento me encontrar com você
ti olhando dos grandes vales ,
trazendo em mim sua luz ,
A muito tempo escolhi que deveria apanas existir para ti as coisas boas da vida ,
e eu roubaria toda sua dor para mim .
que eu iria para o inferno ,
para você atingir os céus .
Agora parece que nem minhas preces chegam a ti ,
me sinto vazio impotente ,
as estrelas escreveram nossos destinos em seus brilhos ,
viver em um mundo de sombras por te amar infinitamente ,
meu coração congelar e só aquecer com pesamentos sobre você ,
me tornar um demônio , para tentar seu anjo ,
sem jamais te abandonar
de J B M Moura

Perfume



As coisas são realmente imprevisíveis ,
em um dia somos heróis ,
você acaba se levando junto ,
se achando especial ,
O mais triste é saber ,
que foi falta de opção ,
nenhum destino se cruza a esmo ,
somos apenas ferramentas deste ciclo ,
seguir o coração sempre dói de mais
me deixe tocar o céu ,
ao menos uma vez ,
quero sentir o ar fresco circulante ,
sair dessas catacumbas ,
ser carne , osso , sangue ,
o que me tornei ,
nem a sombra do que eu pretendi ,
um dia eu sonhei ,
um dia eu vivi ,
eu senti o seu perfume ,
prazer de viver .
De J B M Moura

Cavaleiro solene



Vejo pela janela ,
restos de mim ,
meus pedaços de vida ,
se tornando tão distantes ,
partes de velhos dias .
Quando era jovem ,
tudo correia com batidas fortes ,
encarando minha alma ,
que hoje perdeu a juventude ,
quando fechava os olhos ,
para enxergar as pequenas belezas
Quando sentia o frescor da manhã,
como vento era veloz ,
sumia soprando em qualquer direção ,
sendo vendaval ou brisa fresca ,
sendo musica nova ,
revolucionando a mim mesmo .
Olhando hoje pela janela ,
pouco restou daqueles dias ,
já não sou forte ,
é já não tenho o frescor da brisa fresca ,
as manhãs sumiram de meus dias .
O sol não aquece minha pele pálida ,
tudo se tornando longinquas lembranças ,
por mais que peça por mais uma vez
ser o vento puro ,
ter a força das aguas ,
ser rápido como o vento ,
não consigo ,
Fui perdendo aos poucos ,
o meu próprio brilho ,
por que tentei brilhar tão forte ,
pela janela ,
parece tudo um velho sonho ,
ao qual a realidade se misturou ,
com fantasias de grandeza .
Fui seu solene cavaleiro ,
quando tudo brilhava pra mim ,
De JB M Moura

Fantasmas das dores



4 letras ,
me prendem ao inferno ,
meu próprio inferno ,
quanto mais essas miseras letras se afastam ,
mais suas irmãs filhas maléficas ,
tomam conta de mim ,
adotando-me , arrebatando-me .
Entendo estas 4 letras ,
mais que tudo , porém ,
não sei como é telas ,
se na humanidade muitos a possuem ,
não as dão o devido valor ,
eu por outro lado ,
extinguiria o fogo de minha vida para obter las ,
o que ganhei por persegui-las ,
um manto de sombras tétricas ,
que me protegem contra o frio ,
congelando meu coração .
4 letras tão simples ,
nelas estão minha saída desse lugar horrível ,
do qual me tornei rei ,
um rei sem súditos ,
um rei sem rainha ,
um rei vazio ,
A as sombras acariciam-me ,
moldam-se ao meu corpo ,
tornando-se parte de mim ,
elas vão sorrateiras ,
buscando minha coroa ,
transformando-me em seu senhor .
Vejo a montanha ,
onde habita o que se chama humanidade ,
o sangue que dela corre como fartos rios abastados de dores ,
desapego que eles tem por eles mesmos .
Invejo os loucos que olham o vazio ,
criam seu próprio rítimo ,
desligando-se , evoluindo para o próximo passo ,
das notas nada afinadas , barulhos grosseiros ,
tirados de viola de plastico ,
brinquedo de criança cuja as cordas são de elástico ,
para ele o som e lúdico , erudito ,
se vê isso pelo olhar e o sorriso,
sem esperar , sem planejar o futuro ,
transitando pelo presente com sons deformes ,
ele consegue seu objetivo ,
o sentido de sua existência ,
para mim as 4 letras são tudo ,
mas me pergunto o que significa para o resto do mundo ,
por quê não as consigo ?
Caminhando por lagos putedos ,
escutando intensos gritos de dor ,
amedronto-me ,somente eu e meu manto de sombras ,
nesta estrada solitária ,
estes gritos sombrios entram entram em minha mente .
Andando ,andando , andando ,
procurando um raio de luz ,
mas escuro e incerto se torna o caminho ,
caminho de almas deformes condenadas a vagarem pelo pântano das dores ,
onde me tornei supremo ,
somente por que não acho a saída ,
as trevas , as sombras ,eu nos tornamos um só ,
contra minha vontade .
Me tornei as trevas em corpo de homem ,
aqui até mesmo o fogo e frio ,
um azul fátuo que não ilumina ,
a agua fonte da vida é podre fétida ,
estes gritos medonhos não param um segundo ,
Meu manto de sombras tornou-me com um caro preço ,
me deram sabedoria compreensão do espirito humano ,
tudo isso para buscar minhas 4 letras ,
caçar minha saída deste pântano ,
mas as trevas estavam a muito tempo sozinhas ,
se fundiram a mim como um manto .
Percorrendo este pântano ,
em busca da luz que trará minhas 4 letras,
e faram parar estes gritos abomináveis ,
que depois de muito descobri ,
que eram meus estes gritos ,
meus gritos de dor ,
somente meus neste pântano neblinoso ,
onde ecoam todos os dias ,
por toda sua imensidão .
Procurando frestas por onde passe alguma luz ,
e assim as 4 letras escorregarem para perto de mim ,
mas até este dia ,
em que as 4 letras não encontrar ,
estarei preso no mundo de trevas ,
com meu manto de sombras gélido ,
me protegendo do frio ,
quanto mais uso o manto ,
mais congelado e duro se torna meu coração ,
mas distante e procurando as 4 letras me torno ,
me tornando um com meu manto de sombras .
Aqueles gritos horríveis ,
ficam la fora mesmo sendo meus ,
mas o manto de sombras gélidas ,
me protegem contra o frio
congelando meu coração
congelando meu coração ,
congelando meu coração.......
DE J B M Moura

Linhas do papel



A trajetória da vida tem caminhos muito longos ,
para uma existência muito curta ,
por vezes estas linhas do papel se tornam refugio ,
cheias de força , com energias trazidas da alma ,
mostrando as raízes mais profundas de cada um ,
Mesmo com toda essa força ,
é apenas capaz de contar um curto pedaço dessas trilhas ,
que pode lamentar , sorrir , chorar ,
mostrando o fundo de suas raízes ,
Todo ser é dotado de fantasias ,
sonhos , delirantes certas vezes ,
mas adoráveis de serem sonhados ,
sonhos são desejos das almas ,
que muitas vezes se pegam solitárias ,
erguendo estes templos dentro de si ,
O que é o amor ?
Nada alem de um lindo sonho ,
que brota no intimo do nosso ser ,
bem antes de chegar em nossas mentes ,
conjunto de caminhos e momentos ,
que chegam e se recolhem nesta curta existência ,
onde fronteiras não são barreiras ,
e o doce por muitas vezes se torna amargo ,
Qual o sentindo destas linhas ?
São as raízes da alma de um ser ,
expostos nas linhas do papel ,
mas ainda sim um visão solitária ,
dentro de uma curta existência de caminhos turbulentos ,
como as aguas dos rios que percorrem quilometras ,
até se encontrarem com outras e seguir em frente ,
onde talvez linhas como estas não precisaram mais serem escritas ,
porque deixaram de serem sozinhas ,
seguindo em frente nestes caminhos ,
de existência passageira e intensa .
DE JB M Moura

Filosofia da solidão



Palavras que se perdem ao relento ,
a sorte de alguem é a queda de outro ,
a vida não perdoa pequenos erros ,
maneiras de se portar , certo ou errado , como amar !
A única coisa que sei ,
é que não consigo respirar ,
Nunca ter ninguém por você ,
como um cão sem dono ,
agradecendo as migalhas a ele oferecidas ,
tudo para entrar um pouco de ar em meus pulmões ,
para enfim que possa respirar um pouco de felicidade ,
O mundo se movimenta tão depressa ,
nada fica em seu lugar por muito tempo ,
nem mesmo meus sentimentos ,
fato disto tudo ,
que alguns nascem e vão morrer sem o amor ,
já outros se banham nele ,
bebem dele ,
sem saber o que é amar .
DE J B M Moura

O Poeta



O quanto vale um poeta de coração sonhador e apaixonado ,
que quer transformar a vida em um lindo sonho ,
fazer por suas palavras e gestos ,
dias mágicos ,
Vamos lá poeta !
Transforme o mundo ,
armado de pena e tinta ,
reescreva a historia do mundo ,
nos de vida em forma de poesia ,
Versos que dão sentindo aos amantes ,
que transforma camponeses em heróis ,
e toda a mulher em princesa de contos de fadas ,
que faz apaixonar os olhos ,
Vamos poeta sem medo !
Onde houver pena e tinta poderá desenhar o mundo ,
nos leve ao extremo de cada sentimento ,
rir , chorar , tanto faz ,
queremos um pouco disso para cada momento ,
Lindos são estes pequenos traços de vida ,
arrancam suspiros , desejos ,
onde um beijo se torna o dançar das almas no eterno Éden ,
todos querem esses pequenos presentes ,
Lembram das historias em versos ,
bebem da fantasia delas ,
usurpam delas toda doçura ,
enchendo – as de segundas intenções ,
sendo dadas como pagamento de troca ,
sonhos por desejos que as pessoas querem acreditar ,
Mas e o poeta ?
Sonhou e deu a vida de poesia ,
que se perdeu entre os dois mundos ,
sem poder tocar nenhum dos seus sonhos ,
trocando tudo isso ,
por um breve brilhar de realidade feliz ,
no final tudo não valeu de nada ,
e nada vale mais ser contado ,
nada mais que um pequeno momento ,
que um dia brilhou no interior do poeta .
De JB M Moura

Bufão


Como que todos os olhares,brilhassem iguais para todos,se todos tivessem á chave dos corações,gostaria de olhar no espelho,torcer o tempo,espelho de reflexões,compenetraçõesMinhas palavras não passam de lamurias compenetrareis,risadas,piadas de escarnio,um bufão,nada maisMas a vida baila em trajes de gala,memórias desgastadas,lembranças que não trazem sentimentos,um buraco e só o que delas restam,quem se importa com insanidades.Os olhares que vêm á mim,são faíscas de espanto ilário , ilário como se blasfêmia fosse.No fundo são como o espelhos,todos tentando refletir á mesma imagem,imitando-se para passarem despercebidos,mas acima de tudo normaisNunca colhi desejos,este bufão esta cansado,de provocar risos,por que percebeu no fundo das pessoas,que não riam das piadas que contava,mas sim dele próprio._ Lá vai o bufão,_ O quê ele tem á dizer hoje ?_ Já sei alguma teoria maluca._ Coisas de lunático.Lunático !só se tem o próprio,carrega a solidão do mundo,sozinho sem reclamar,tanto faz de estar ou não estar,de diálogos que faiscam e intendiam,projeta-se em uma alma dedicando seu carinho,mas sempre termina sozinho,escondido atrás de espelhos,de coração a sangrar
De JB M Moura

OS UIVOS DOS LOBOS CONTARÃO




Lobos livres pela noite ,
vagar pela floresta ,
com olhar de fera noturna ,
olhar para a noite de luar ,
gritar em forma de uivo ,
com a força da alma ,
mandando tudo para longe
Como fera habitar esta noite ,
livre dos laços da razão ,
ser apenas uma fera ,
nas sombras do luar,
com as histórias contadas ,
pelas garras e presas ,
e o luar iluminará ,
todos os caminhos sem exceções .
Correr sem grilhões ,
a beira do lago ,
lavar minhas magoas ,
ser a fera que habita meu espirito ,
olhar a vida por meus olhos de fera ,
filtrar toda a indiferença .
Viver com coração selvagem ,
em todos os sentimentos ,
sentir minhas lendas ,
para sempre ser o homem fera
para todo sempre ser o homem lobo ,
que caça o amor ,
nesta noite de lua prata ,
que apenas os lobos vão lembrar ,
com uivos contarão essas histórias
De JB M Moura